Vaidade profissional x imigração: um exercício de desapego.

Vaidade profissional x imigração: um exercício de desapego.

Para começar uma carreira em Portugal é possível que seja necessário sair provisoriamente da sua área de atuação e realizar trabalhos temporários ou mesmo exercer uma função na qual jamais tenha atuado.

Se este for o seu caso há pelos menos duas possibilidades: que a situação seja apenas uma fase de transição até que você disponha das condições para retomar a sua carreira no segmento que integrava no Brasil ou pode ser que você até goste da nova experiência e descubra que pode se realizar ali. Afinal, imigrar é também estar aberto às novas possibilidades!

Eu, que saí do Brasil deixando o cargo de Gerente de Marketing de uma das maiores redes de franquias de fast-food do Norte-Nordeste, Bebelu Sanduíches, jamais pensei em ser operadora de call-center. Tive que lidar com minha vaidade e aprendi lições surpreendentes.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Em todos os meus anos de carreira, mesmo ocupando desafiadores cargos de gestão nunca desempenhei uma função tão complexa. Na verdade, nunca houve nada fácil em relação a este cargo. Conto aqui 5 aspectos da experiência que tenho tido:

1-     Antigos conhecimentos para novas atribuições – Não foi fácil aceitar que teria de sair da minha área. Existe aí a vaidade, claro e eu lutei para superá-la, pois precisava de uma porta de entrada para o mercado de trabalho. Precisava me integrar a uma nova cultura e precisava de uma nova rotina. Depois consegui perceber que podia (e deveria) aplicar todo o meu conhecimento em comunicação ali. E era tudo-ao-mesmo-tempo-agora: Atendimento, Gestão de Crise, Pós-venda. Coloco em prática todos os conceitos.

2-     Diferenças no idioma – acreditem: nossa maneira de falar e de escrever é bem distinta. Mas nesta função pude me familiarizar com novas palavras, novas expressões e novas pronúncias. Não estamos falando apenas de palavras distintas para objetos e situações iguais. Trata-se de uma cultura diferente e era necessário adaptar-me a ela.

3-     Desenvolvimento de habilidades – Não foi fácil aprender a operar os incontáveis sistemas e aplicativos para realizar o mais simples atendimento no call-center, sobretudo na minha idade (40 anos). De todo o contexto vivenciado, este aspecto foi o que mais custou a mim. A questão é que essas novas demandas nunca fizeram parte do meu plano de carreira, portanto, eu apresentei uma grande resistência. Mas depois compreendi que tudo aquilo faria parte da minha nova condição: a de imigrante.

4-     Xenofobia, machismo, assédio. Tem de tudo. Isso me abalava imensamente no começo. Imagina você contornar todos os aspectos que já citei e do outro lado da linha o cliente diz que quer falar com alguém que saiba falar português pelo simples fato de não gostar do nosso sotaque? Não aceitei as ofensas. Ensinei o que pude para quem tinha capacidade de ouvir e encerrei algumas chamadas quando os crimes continuavam a ser proferidos.“Nosso modo de viver pode ser também o nosso modo de lutar” (frase de desfecho da série As Telefonistas, Netflix).

5-     Conquistei amizades surpreendentes desde a formação no call-center: naturalmente ao imigrarmos os relacionamentos no novo país tendem a ser fortalecidos com mais intensidade e rapidez. O segredo é simples: tudo o que temos é uns aos outros.

Outro lado das lições no call-center

Por mais que estejamos (como clientes) angustiados, nos sentindo prejudicados pelas prestadoras de serviço que pretendemos reclamar, é preciso lembrar que por trás de uma chamada telefônica há um ser humano geralmente aflito e pressionado, mas cheio de vontade de proporcionar o melhor atendimento e empenhado em resolver todas as questões na maior agilidade. 

Como profissional posso dizer que sou uma pessoa mais capacitada que jamais fui e que sinto-me preparada para novas experiências ou para manter a função vigente. Já tive constrangimento, confesso. Nem mesmo citava nada disso nos currículos ou no linkedin. Mas todo mundo pode evoluir, não é? O que eu via como fracasso profissional coloco hoje como a cereja do bolo. Já sei do que é capaz “uma simples telefonista”.

Múltiplas possibilidades

Paralelamente, a partir dos desafios como imigrante, fui enfrentando e descobrindo um novo mercado: o de realocação de brasileiros em Portugal. Com base na minha própria experiência e amparada em sólidas parcerias criei a Life Relocation.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

E é este projeto que me faz brilhar os olhos. Espero em breve poder me dedicar 100% a esta carreira nada planejada, mas que me deixa plenamente realizada.

2 comentários em “Vaidade profissional x imigração: um exercício de desapego.”

  1. Pingback: Desafios profissionais dos imigrantes brasileiros em Portugal - Life Relocation Portugal

  2. Muito bom. Parabéns pela “volta por cima”. Oxalá quando chegar a minha vez eu tenha a mesma postura e saiba contornar as dificuldades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?